Pouco mais de um ano após ter sido lançado, a versão eletrônica do Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo — CRLV digital — já acumula cerca de dois milhões de usuários em todo o Brasil. Melhor dizendo, em quase todo o país: de acordo com o Serpro, 22 Detrans já aderiram à tecnologia.

São as unidades de:

  • Ceará
  • Rondônia
  • Goiás
  • Pernambuco
  • Mato Grosso do Sul
  • Sergipe
  • Maranhão
  • Amapá
  • Amazonas
  • Santa Catarina
  • Rio de Janeiro
  • Alagoas
  • Paraná
  • Mato Grosso
  • Acre
  • Espírito Santo
  • Roraima
  • Rio Grande do Sul
  • Minas Gerais
  • Bahia
  • São Paulo
  • Distrito Federal

O objetivo é fazer o CRLV digital ser disponibilizado em todo o Brasil, é claro. O prazo para que os Detrans de todos os estados adequem seus sistemas à nova tecnologia vai até 30 de junho. Há boas chances, no entanto, de que a disponibilidade nacional seja concluída antes dessa data. O Detran da Paraíba, por exemplo, vai aderir à versão eletrônica na próxima semana.

CRLV digital

Sempre é bom lembrar que o CRLV digital contém as mesmas informações que o seu equivalente impresso. Como tal, a versão eletrônica acaba tendo a mesma validade jurídica que o documento em papel, o que significa que ela pode ser apresentada em uma abordagem policial, por exemplo.

Para ter o CRLV digital, é preciso instalar o aplicativo Carteira Digital de Trânsito (CDT), disponível para Android e iOS. O app também armazena a CNH digital. Os dois documentos eletrônicos podem ser ativados de modo 100% online, diz o Serpro.

No aplicativo, o CRLV digital é protegido por uma senha de quatro dígitos ou, opcionalmente, por impressão digital nos smartphones que contam com leitor biométrico. Um QR Code garante a autenticidade do documento.

É possível ainda compartilhar o CRLV digital com outra pessoa que utiliza o mesmo veículo (desde que ela também tenha o CDT), assim como exportar o documento em PDF, nesse caso, com assinatura digital.

Convém destacar também que, assim como a CNH digital, o CRLV digital fica disponível offline, ou seja, não requer acesso à internet para ser visualizado.

 

Fonte: Tecnoblog