Microsoft descobriu uma maneira de fazer o Google Chrome consumir menos energia e memória RAM quando usado no Windows 10, uma boa notícia para quem utiliza o browser com frequência no notebook e vive tendo problemas com a duração da bateria.

De acordo com o Windows Latest, a gigante de Redmond começou a testar, no segundo semestre de 2019, uma forma de fazer o navegador mais popular do mundo consumir menos recursos e energia. Para tanto, ela verificou ser necessário impedir o uso de cache do disco pelo Chrome ao rodar vídeos, mecanismo que o mantém ativo mesmo sem o usuário mexer nele.

Além disso, engenheiros da Microsoft implementaram um recurso para verificar se o dispositivo funciona com bateria e não está conectado à tomada, com o objetivo de fazer a nova função entrar em ação apenas quando o notebook estiver usando a bateria, contribuindo para melhorar a vida útil dela.

Eles também adicionaram uma ferramenta para comparar o tamanho do conteúdo da resposta HTTP com a função de evitar o armazenamento em cache sempre que o tamanho do arquivo extrapolar o limite. Esta é outra maneira de fazer o navegador usar minimamente o disco, segundo a dona do Windows.

Edge também pode se beneficiar

O trabalho feito pela Microsoft para diminuir o consumo de bateria do Chrome no Windows 10 pode acabar beneficiando o Edge, navegador da companhia e um dos rivais do produto da Google.

Como a nova versão do Edge é baseada no mesmo mecanismo Chromium do concorrente, todas as melhorias implementadas no Chrome podem ser adotadas no browser próprio da marca.

Segundo o TechRadar, a Google tem interesse em testar os novos recursos para verificar se eles realmente contribuem para a economia de energia. Caso os testes sejam bem-sucedidos, as ferramentas podem estar presentes em futuras versões do navegador.

 

Fonte: Tecmundo